Conheça as Marias da Paz da vida real e suas receitas de sucesso para virarem boleiras

468

Vou te contar a história de uma moça do interior que precisou fugir as pressas da cidade
de onde morava, e foi em busca de uma vida melhor na cidade grande.
Chegando lá, ela não fazia idéia de como recomeçar sua vida, mas não via outra opção a não ser ralando muito para poder começar de novo.

A moça então começa a colocar em prática algumas receitas que herdou da sua avó e iniciou o preparo de deliciosos bolos, visando conseguir sobreviver com a venda deles.

Porém o negócio foi muito além do que ela esperava e, de ambulante vendedora, passou a ser a dona da maior fábrica de bolos da cidade e acabou ficando milionária.

Você provavelmente conhece essa história! Se trata da personagem de Juliana Paz na novela de sucesso do horário nobre!

Mas o que você não sabe e que milhares de mulheres na vida real se identificaram com a história da personagem e colocaram em prática um negócio altamente lucrativo, começando do absoluto zero, apenas com maravilhosas receitas e sua força de vontade de melhorar de vida. Conheça a história de duas mulheres que são boleiras de sucesso  suas cidades com essas delícias.

O ingrediente secreto

A porto-alegrense Bruna Tossi Longarai, 29 anos, já pode se considerar uma empresária de sucesso. Para manter funcionando a sede da confeitaria Bruna Trufas, em Canoas, e atender um média diária de 600 clientes (entre encomendas de tortas e trufas e de compras na loja), 23 pessoas estão empregadas. Entre elas, a mãe, Glaucinara Ribeiro Tossi, o pai, Luís César Monteiro Longarai, e a madrasta, Walia Borba, divididos entre os setores de atendimento, produção e delivery (telentrega).

Essa engrenagem perfeita, segundo a dona do negócio, tem dois ingredientes que nunca podem faltar: o amor que adquiriu pela confeitaria e a paixão que veio pela gestão empresarial.

Há nove anos, Bruna se viu obrigada a procurar uma alternativa para resolver as dificuldades financeiras que estava enfrentando. A saída foi produzir e vender trufas no cursinho pré-vestibular que frequentava em 2010. A inspiração para seguir nesse caminho surgiu ao visitar uma amiga de infância que também comercializava trufas – mas que, hoje, não produz mais. Caroline passou a receita de sucesso para Bruna.

Menos é mais

Com a vida um tanto atribulada, em 2018, optou por fechar o empreendimento da Capital, seu segundo grande marco profissional:

– A partir do momento em que foquei no meu negócio com uma loja só, ele começou a expandir.

O faturamento, em um ano, aumentou 2.000%. Com o ajuste, Bruna passou de um quadro de quatro para 23 funcionários. E, há quase dois meses, inaugurou a nova sede em Canoas em outro endereço. Hoje, ela não coloca mais a mão na massa. Sua maior preocupação é gerir o negócio, o que não significa que deixe de conferir de perto o sabor dos doces que levam a sua assinatura.

– Acompanho flashes da novela, me identifico muito com a Maria da Paz em relação à exigência de qualidade. Prefiro não vender do que oferecer algo que não esteja bom – afirma Bruna, que oferece à clientela doces de R$ 5 a R$ 190:

– Hoje, o meu trabalho me proporciona isso: fui conhecer confeitarias que são referências para mim. Antes, eu não tinha a oportunidade de ir a lugares em Goiás, São Paulo e Santa Catarina que são importantes.

Descubra como é possível fazer os bolos de Maria da Paz, aprendendo novas receitas mesmo não entendendo nada de confeitaria!

Sabor caseiro

Luciane Ruperti, 46 anos, do bairro Bela Vista, em Alvorada, combinou o gosto por decoração com a aptidão pela confeitaria para criar a sua marca, Divina’ Artes. Depois de mais de 16 anos trabalhando como auxiliar de laboratório, ela decidiu dar uma guinada profissional. Cansada dos plantões noturnos e sonhando com uma nova carreira, em abril de 2018, começou a participar de cursos especializados na produção de brigadeiros e bolos artísticos.

– Mas aprendi a cozinhar com a minha mãe. O pão de ló, aprendi com ela, que sempre cozinhou muito bem. Hoje em dia, ela acaba me perguntando como é que faz, já não se lembra bem (risos) – conta sobre dona Irene, 73 anos.

Daí em diante, suas delícias passaram a ser comercializadas para colegas de trabalho e para os amigos dos três filhos, Bruna, 28 anos, Diego, 25, e Vitor, 18.

Devagar e sempre

Por enquanto, a confeitaria representa apenas uma fração do orçamento familiar. A maior parte ainda é garantida pela renda do marido, o aeroviário Luis Favio, 51 anos. A média mensal é de 40 pedidos, entre tortas, centos de brigadeiros e cupcakes. As delícias vão do brigadeiro gourmet até tortas artísticas, e os valores variam de R$ 35 a R$ 300.

– O que eu ganho ainda não uso para as nossas despesas maiores, mas invisto para comprar mais equipamentos – conta a confeiteira, dando um passo de cada vez.

Para Luciane, Maria da Paz serve de inspiração justamente pela força que transmite:

– Há muito tempo, eu não via novelas das nove por trabalhar à noite. Me identifico com ela pela questão de começar com tanta dificuldade, vendendo para conhecidos e vizinhos.

E também pelo prazer de trabalhar com o que gosta, além de não ter vergonha de ser uma boleira.

Trabalhando sozinha em casa, a empreendedora não vê a hora de ampliar o negócio.

– Sonho muito em ter a minha confeitaria com muitos colaboradores. Quero que eles tenham prazer em trabalhar na minha empresa – projeta.

Hoje, essas mulheres se sente realizada com seus doces e bolos, e, histórias como as delas estão cada vez mais comum entre as mulheres depois do surgimento da novela A Dona do pedaço. Mulheres que estão trazendo para a realidade o sabor dos bolos de Maria da Paz, com receitas especiais que elas aprenderam e estão fazendo sucesso em suas cidades. O Manchetes do dia teve acesso a uma das apostilas e disponibilizou para nossas leitoras que também querem criar um negócio com bolos.

A apostila estará disponibilizada nesse link clique aqui

Gostou da Matéria? Deixe seu joinha e compartilha com seus amigos!

 

 

Fonte: diariogaucho