Escassez de gols faz finalizações entrarem em pauta no São Paulo

27

Quando a vitória não vem, quando a bola não entra, quando o jogo não encaixa, as críticas aparecem de todos os lados. No São Paulo, a moda agora é “cornetar” as finalizações do time, até mesmo nos treinos. A insatisfação não é à toa, já que nos últimos cinco jogos foram apenas dois gols são-paulinos, um triunfo, dois empates e duas derrotas. Mas não acaba por aí, o desempenho ofensivo diante do CSA, no último domingo, intensificou a irritação da torcida.

Antes de enfrentar a equipe alagoana, o Tricolor estava há três partidas sem balançar a rede dos adversários (Vasco, Grêmio e Internacional), algo que não é surpreendente, já que durante toda a temporada figurou entre os piores ataques em comparação com os outros clubes de Série A. A esperança com o retorno de vários jogadores importantes era de melhora, que não aconteceu.

“Começamos bem o jogo, com mobilidade e intensidade, criando inúmeras oportunidades. Finalizamos muito, e concluímos em gol apenas uma vez. É um dia que não é para acontecer, infelizmente. Era um jogo para ter vencido”, declarou Cuca após o empate no Morumbi.

O técnico tem razão, já que, segundo o Footstats, o São Paulo teve 21 finalizações erradas durante a partida. Número altíssimo, que passou a ser o segundo maior de um time em um jogo deste Brasileirão, o primeiro foi do Avaí (22 chutes errados) contra o Botafogo. Hernanes, que foi um dos melhores do Tricolor em campo, tentou encontrar uma justificativa para esses equívocos.

“Nós conseguimos ter volume de jogo, posse de bola, faltou aquele toque final, porque quando a equipe está passando por esse momento de ajuste, a bola parece não encontrar o caminho dos gols ou a gente também que não tem a competência de fazer, mas vamos trabalhar”, avaliou o camisa 15 em coletiva.

Também de acordo com o Footstats, nenhum jogador são-paulino tem média superior a uma finalização certa por partida. Antony tem o índice mais alto (0,9 por jogo) com 13 chutes certos em 14 duelos disputados, mas ele marcou apenas um gol na competição até aqui. O “Profeta” acredita que a equipe está pecando pela falta de calma no momento da conclusão.

Continuar Lendo

“São jogos assim que a gente precisa de um pouco mais de tranquilidade, escolher a melhor opção no último passe para a finalização para abrir o placar e aí a equipe encontrar uma maneira mais tranquila de jogar, então talvez tenha faltado um pouco mais de tranquilidade para definir, escolher melhor o último passe ou o último chute”, complementou o meio-campista.

Cuca seguiu na mesma linha de Hernanes, e tocou no ponto da ansiedade e da falta de confiança da equipe quando não consegue balançar a rede. Esses fatores acabaram desperdiçando pontos importantes para as pretensões do clube no campeonato, no qual o líder já está dez pontos à frente do Tricolor.

“Começamos o jogo muito bem, o time bem espaçado. Mas a bola não entra, começa a bater ansiedade e a confiança vai saindo. O adversário marcou muito bem, mas não justifica. Esse é um jogo que deveríamos ter ganhado”, concluiu o treinador são-paulino em sua coletiva após o empate com o CSA.

O São Paulo volta a campo neste sábado, às 11h, para enfrentar o Botafogo, no Nilton Santos, pela 20ª rodada do Brasileirão. No momento, o Tricolor ocupa a sexta posição na tabela, com 32 pontos, dez atrás do líder Flamengo.

Fonte: UOL