30 C
Brasil
sábado, 8 maio 2021
Home Finanças & Investimentos Banco Central olha para a inflação de 2022

Banco Central olha para a inflação de 2022

Nesta terça feira (13), o presidente do Banco Central afirmou que há muita preocupação com a alta dos juros para o ano que vem, que deve exceder as expectativas desse ano. De acordo com Roberto Campos Neto, a inflação para o ano de 2022 tem previsões altíssimas, e revelam que a política monetária fará efeito.

Devido a alta contaminação da covid-19, a inflação também vem crescendo a alcançando todas as expectativas dos especialistas que garantem que a economia terá o maior movimento já esperado pelo mercado, principalmente pela alta taxa dos juros da Selic. Mesmo avaliando um horizonte a conta do curto prazo é o que acaba tendo mais efeitos, segundo o presidente do Banco Central.

Para os efeitos esperados em 2022, a pressão inflacionária recebe as expectativas do próximo ano, e mesmo tendo uma estrutura temporária, de acordo com Campos neto, grande parte da alta dos preços se dpa através do movimento das commodities.

Leia mais: Banco Central espera crescimento ainda menor do Brasil em 2021

O presidente do Banco Central e a autarquia dos preços

Acompanhando o preço do câmbio o presidente do Banco Central afirmou que o real, está estável nas últimas semanas, mas é preciso ficar atento a todo o sistema, já que ele é flutuante e se encontra em um momento instável. Porém, afeta toda as expectativas da inflação.

Durante a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), o valor da Selic subiu em 0,75%, e agora soma o valor de Selic total de 2,75% ao ano. Como uma resposta para essa elevação e preços, as expectativas do mercado também aumentam, e Campos Neto reitera sobre a sinalização da decisão do Banco Central sobre aumentar esse percentual. O próprio Ministro da Economia, Paulo Guedes, questionou os efeitos que esse aumento de valor poderia causar na economia, e mencionou isso, frente a uma autoridade monetária para que Campos Neto tivesse mais coordenação entre o ministério e o Banco Central. Em tempos de crise, tudo precisa ser muito bem avaliado e coordenado para não prejudicar ainda mais a política monetária.

 
Susan Nogart
Susan Nogarthttps://manchetesdodia.com/
Susan Nogart, 30 anos. Formada em Ciências Biológicas e Produção de conteúdo para Web, ama animais, ciências e comportamento e é apaixonada por escrever. Trabalha com criação há mais de 10 anos.

Baixe Nosso Aplicativo

Últimas Notícias

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui