30 C
Brasil
quinta-feira, 20 janeiro 2022
HomePolítica & PoderEntenda os conflitos que estão ocorrendo no Cazaquistão e países envolvidos

Entenda os conflitos que estão ocorrendo no Cazaquistão e países envolvidos

Nesta última quarta-feira (05), o primeiro-ministro do Cazaquistão pediu uma renúncia ao presidente, que foi acatada. A solicitação foi realizada após uma série de conflitos no país em relação ao aumento expressivo de preços dos combustíveis. O petróleo enfrenta uma alta mundial na faixa de 54% e vem impactando principalmente os grupos mais pobres. 

Durante a tarde da última quarta-feira (05) e a manhã desta quinta-feira (06), a população que está se revoltando contra o governo realizou uma série de manifestações em Alamy e atacou prédios, colocou fogos em carros. Nestes conflitos, é estimado que ao menos 13 policiais que tentaram controlar a situação foram mortos. Ao menos 2 mil pessoas acabaram sendo detidas porque estavam destruindo o patrimônio público ou privado. 

De acordo com historiadores, esse é um dos maiores protestos que aconteceram no país desde que se tornou independente, no começo da década de 90, quando a União Soviética – que dominava a região – acabou entrando em colapso. A Rússia, que é a atual União Soviética, acabou de enviar, durante a madrugada e manhã, uma série de tropas com o objetivo de controlar a situação e impedir que mais mortes aconteçam. Mostrando, novamente, que o antigo país socialista ainda tem interesses no Cazaquistão.

O país russo teria anunciado uma força de paz bruta que estaria envolvendo o uso de mão armada de países como Armênia, Belarus, Quirguistão e Tadjiquistão. A inflação do Cazaquistão está elevada e a população já vinha enfrentando um aumento dos preços em alimentos básicos durante a pandemia. No entanto, com a duplicação dos preços dos combustíveis, a situação veio a ficar ainda mais densa. 

Vale salientar, além disso, que durante o ano de 2021, houve um aumento de 120% no valor do litro do petróleo. Os países em crescimento ou de menor renda foram os que mais sofreram com a situação. 

Daiane Souza
Formação em jornalismo pela Uniasselvi e em história pela FURB. Amante, desde o ano de 2017, pela produção de conteúdos, notícias e redação em geral.

Últimas Notícias

- Publicidade -

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui