21.1 C
Brasil
segunda-feira, 19 abril 2021
Home Política & Poder Lula é culpado na opinião da maioria dos entrevistados pelo Data Folha

Lula é culpado na opinião da maioria dos entrevistados pelo Data Folha

O Instituto Data Folha ouviu 2023 brasileiros, entre os dias 15 e 16 de março, e o resultado foi que 57% consideraram Luiz Inácio Lula da Silva culpado pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Além disso, os entrevistados consideraram um erro a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, ao anular os efeitos da sentença que o condenou.

Ainda de acordo com a pesquisa, cerca de 67% se disseram convictos de que, a partir dessa decisão, a percepção do mundo sobre a corrupção no país irá aumentar consideravelmente; mas ela também revelou o aprofundamento dessa espécie de divisão entre as regiões brasileiras, já que, enquanto 66% dos sulistas concordaram com a condenação do ex-presidente, cerca de 58% dos nordestinos se disseram contrários.

Outra curiosidade apontada pela pesquisa foi o fato de que apenas 7% se acharam pouco informados sobre as minúcias dessa decisão do ministro, enquanto 37% garantiram plena ciência dos fatos e 44% acreditaram estar mais ou menos cientes do ocorrido.

Por que Lula teve a condenação anulada?

A entrevista do Data Folha também concluiu que 51% dos entrevistados consideraram um erro a decisão do ministro Fachin, 42% garantiram que ele acertou e 6% não quiseram ou não souberam responder.

Na decisão do magistrado, pesou o fato de ele ter se convencido de que a Justiça Federal do Paraná era incompetente para julgar o caso, já que ele em nada relacionava-se aos escândalos de corrupção da Petrobrás – considerada o alvo das investigações da “Lava-Jato” na comarca do estado.

Só para lembrar, a sentença do ex-juiz Sérgio Moro condenou Lula a 9 anos e 6 meses de prisão por supostamente ter recebido um triplex no Guarujá e um sítio em Atibaia como pagamentos de propina. E agora, com a decisão, o ex-presidente readquire os seus direitos políticos e poderá candidatar-se novamente às próximas eleições presidenciais em 2022, caso a decisão monocrática de Fachin não seja reformada.

Leias mais: ‘Mundo se preocupa mais com o desmatamento que o próprio Brasil’

 

 

Baixe Nosso Aplicativo

Últimas Notícias

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui