36.7 C
Brasil
quinta-feira, 5 agosto 2021
HomePolítica & PoderMARROU: Do conhecimento histórico - resumo

MARROU: Do conhecimento histórico – resumo

Para marrou, a história é o conhecimento do passado humano. O conhecimento, neste caso, seria a narração dos fatos. Para isso, deve-se haver métodos rigorosos e sistemáticos. A disciplina não deve se contentar apenas com fatos miúdos ou criar projetos inteligíveis.  

O historiador não pode ser separado da história e, ao mesmo tempo, não é neutro e é impossível se obter uma ciência exata ao reproduzir. É necessário ter senso crítico e realizar análises aprofundadas sobre.  

Marrou e a crítica a Langlois e Seignobos

O autor faz fortes críticas a Langlois e Seignobos que tem a ideia de fazer o profissional se esconder atrás de documentos e apenas pegar o que parece real e usar para montar a narrativa, sem criar críticas. Após isso, depois de todas as fichas serem organizadas, a história teria o seu fim, poderia acabar e ser aniquilada. Mas isso, segundo o autor, é impossível de acontecer e essa é uma tentativa de apagar o historiador.  

Langlois, no fim de sua carreira, estaria contentando-se a oferecer aos leitores apenas uma série de textos, sem ao menos se esforçar para uma crítica, argumenta Marrou. 

- Continua Depois da Publicidade -

A história não é fiel, deve-se trazer o passado para o presente ao criar interpretações em que se usa os equilíbrios de datas e documentos para compor a poesia.  O campo de estudo depende do especialista, já que é ele quem define o que deseja estudar e, consequentemente, isso varia de acordo com o social e sua cultura.  

Apesar de se fazer com documentos, não deve ser o ponto de partida. O ponto de partida é uma questão particular, própria do historiador e que ele tem ânsia em responder. Somente após isso se busca os documentos para responder as perguntas.  

No princípio, a história era historicizante, ou seja, havia o estudo somente dos fatos históricos sem haver a crítica. Os assuntos eram gerais, atualmente,  deve-se especificar de forma mais profunda os assuntos. A forma como o profissional deve se aprofundar e quais autores deve escolher vai depender de sua filosofia e cultura.  

Leia mais:

 
Daiane Souzahttps://manchetesdodia.com/
Nascida em Santa Catarina, atualmente estuda história pela FURB, atuando com a redação política. Trabalha há mais de três anos como redatora profissional experiente em SEO e Copywriter. Apaixonada por literatura, filosofia e escrita.

Últimas Notícias

- Publicidade -

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui