28.8 C
Brasil
quinta-feira, 5 agosto 2021
HomePolítica & PoderRelator do Orçamento quer cancelar R$ 10 bilhões das emendas parlamentares

Relator do Orçamento quer cancelar R$ 10 bilhões das emendas parlamentares

O novo orçamento de 2021, foi relatado pelo senador Márcio Bittar, que enviou nesta quarta-feira (31), a vontade e proposta de cancelar cerca de R$ 10 bilhões dentro das emendas parlamentares, para o presidente Jair Bolsonaro. O orçamento oi aprovado na última semana pelos próprios parlamentares, que até a data atual não foi sancionada pelo presidente.

Segundo especialistas, a equipe econômica do governo vem sofrendo críticas, principalmente pelas verbas que custeiam as despesas obrigatórias, como previdência e salários. O ofício enviado por Bittar deve cancelar algumas emendas, para cobrir despesas obrigatórias do governo.

A polêmica envolvida no novo orçamento

O novo orçamento propõe que as emendas que são incluídas dentro dos gastos dos deputados e senadores, sejam reduzidas, desde obras a redutos eleitorais entre outros. Com isso, as comissões, bancadas e cada parlamentar pode fazer uma indicação.

Esse corte de R$ 10 bilhões que foi sugerido, está sendo chamada de “emendas de relator”, que incluiu os gastos de peças orçamentárias, que foi uma sugestão de outros parlamentares. Além disso, o orçamento atual aprovado pelo Congresso, atualmente é de R$ 26,46 bilhões.

- Continua Depois da Publicidade -

O cancelamento da verba ainda deve ser sancionado pelo presidente, que pode ou não aprovar, e tem dada limite para acontecer até o dia 22 de abril.

Leia mais: PEC emergencial pode cortar salário dos servidores em 25%

As emendas parlamentares de antigamente

A definição do novo orçamento foi feita pelo relator durante um projeto que tramitava dentro de um projeto de lei orçamentária. E agora com o valor definido, é preciso se organizar para honrar com todos os gastos obrigatórios, dentro dessa redução de valores. Conseguindo pagar a tudo e a todos, como seguro desemprego, abono salarial, e contratos previdenciários.

Se aprovada, o Congresso deve enviar esse dinheiro para outras obras do Ministério do Desenvolvimento, como por exemplo para a saúde. A medida dessa manobra ao mesmo tempo, pode servir para incluir os interesses dos parlamentares, dentro do teto de gastos.

 
Susan Nogarthttps://manchetesdodia.com/
Susan Nogart, 30 anos. Formada em Ciências Biológicas e Produção de conteúdo para Web, ama animais, ciências e comportamento e é apaixonada por escrever. Trabalha com criação há mais de 10 anos.

Últimas Notícias

- Publicidade -

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui