28.8 C
Brasil
quinta-feira, 5 agosto 2021
HomeSaúde & Bem EstarAnvisa esclarece medidas sobre falta de medicamentos para intubação

Anvisa esclarece medidas sobre falta de medicamentos para intubação

Com o aumento do número de casos de covid-19 no país, o número de internações também aumentou, com isso a situação dos hospitais se tornou crítica, principalmente pela falta de medicamentos para intubação. Relaxantes musculares, anestésicos e sedativos são alguns dos principais medicamentos que estão em falta.

As instituições já estão trabalhando para reduzir os riscos de não ter mais medicamentos para comprar, principalmente esses que são essenciais para o tratamento e a intubação. Os pacientes clínicos da covid-19 sofrem com a falta da saturação e oxigênio no sangue que é algo fundamental e por isso, os medicamentos são de extrema importância.

Pensando nisso, a Agência Nacional da Saúde informou que desde o começo do ano passado, procedimentos vêm sendo estabelecidos para favorecer o acesso desses produtos com segurança e qualidade para que a falta de medicamentos não atrapalhe o trabalho dos profissionais da saúde.

Leia mais: Ministério da Saúde distribui máscaras inadequadas aos profissionais da área

Declaração da Anvisa sobre a falta de medicamentos

- Continua Depois da Publicidade -

De acordo com o relatório liberado pela Anvisa, medidas já estão sendo tomadas para que a aquisição dos medicamentos importantes seja feita. Sobre o registro da Agência, foi alegado que houve um aumento muito grande no consumo desses medicamentos, devido ao agravamento da pandemia e por isso, novos pedidos já estão sendo feitos para evitar a falta de medicamentos importantes.

O enquadramento na RDC 415/2020 que foi feito para substituir uma documentação que comprovava o desabastecimento das instituições hospitalares, já foi usado também em procedimentos de manejo clínico para o coronavírus, em procedimentos como intubações.

A nota da Anvisa ainda finalizou dizendo que haverá mudanças para que vários dos produtos essenciais para o tratamento médico não falte nos hospitais, embora isso ainda esteja em discussão de como fazer. Os protocolos que a Agência tem tomado atualmente, exigem o máximo de suas capacidades e no que compete priorizar os casos mais graves, a luta é justamente para não ser necessário fazer esse tipo de escolha.

 
Susan Nogarthttps://manchetesdodia.com/
Susan Nogart, 30 anos. Formada em Ciências Biológicas e Produção de conteúdo para Web, ama animais, ciências e comportamento e é apaixonada por escrever. Trabalha com criação há mais de 10 anos.

Últimas Notícias

- Publicidade -

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui