24.3 C
Brasil
quinta-feira, 5 agosto 2021
HomeSaúde & Bem EstarArgentina enfrenta segunda onda de Covid-19

Argentina enfrenta segunda onda de Covid-19

Com a economia bastante exausta, a Argentina que agora enfrenta a segunda onda da Covid-19, também precisa lidar com decisões difíceis já que medidas drásticas não podem ser tomadas. No ano passado, em 2020, quando a pandemia começou, o país optou por fazer um período longo de confinamento e isso ajudou o sistema de saúde que não teve problemas de saturação.

Porém, atualmente com a nova onda e o aumento do número de casos, o país vem sofrendo com uma curva ascendente nas últimas semanas e a fragilidade da economia, não permite que o governo retoma tais medidas preventivas.

O presidente do país, Alberto Fernández explicou nesta quinta-feira (8), que algumas restrições precisam ser feitas, para evitar o aumento do número de contágio e infecções, e uma dessas medidas para que enfrenta a segunda onda da Covid-19 é o toque de recolher noturno, que de acordo com alguns especialistas, é eficiente para evitar a propagação do vírus.

Medidas muito leves

O país que atualmente se encontra em 10º lugar no ranking de número de contágios por dia, vem tomam medidas muito leves para quem enfrenta segunda onda da Covid-19. Isso se dá devido à pressão econômica que o país vem sofrendo atualmente. É preciso trabalhar, mas também é preciso conter o vírus e diminuir o número de contaminados.

- Continua Depois da Publicidade -

Leia mais: Argentina: História maiores jogadores e principais prêmios

O transporte público até o momento está restrito, alguns ambientes como salões de festas, boates e locais de jogos, como cassinos que são ambientes fechados também foram bloqueados. O presidente que atualmente se encontra em isolamento por ter testado positivo para Covid-19, mesmo já estando vacinado, fornecia ajuda a empresas e trabalhadores, para que esses consigam passar o confinamento, mas agora isso não é uma opção.

O país mantém acumulado em torno de 3 anos de recessão, com um déficit no PIB de 9,9%, uma das piores marcas, e enfrentando uma eleição que está próxima. Com isso, o governo não vem fazendo orçamentos para qualquer tipo de assistência social e o impacto disso será de enfrentar segunda onda da Covid-19 com restrições e sem ajuda.

 
Susan Nogarthttps://manchetesdodia.com/
Susan Nogart, 30 anos. Formada em Ciências Biológicas e Produção de conteúdo para Web, ama animais, ciências e comportamento e é apaixonada por escrever. Trabalha com criação há mais de 10 anos.

Últimas Notícias

- Publicidade -

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui