34.7 C
Brasil
terça-feira, 22 junho 2021
HomeSaúde & Bem EstarChá de canela aborta mesmo? Saiba se isso é um mito ou...

Chá de canela aborta mesmo? Saiba se isso é um mito ou verdade

Será que o chá de canela aborta, ou melhor, é abortivo? Ou será que temos aqui outro desses mitos e crendices que costumam brotar como em cascata do seio das mais diversas comunidades?

Bem, a ciência ainda não bateu o martelo sobre esse assunto. Ainda não se sabe se ele verdadeiramente produz tal efeito. No entanto, como uma forma de precaução contra esse e outros possíveis efeitos em mulheres grávidas, o que os especialistas recomendam é evitar o seu consumo durante esse período tão delicado.

Alguns estudos, ainda não conclusivos, até apontam para uma certa capacidade que teria o chá de canela de produzir algum nível de contração uterina; só que, na maioria das vezes, isso não resulta em mais do que a antecipação da menstruação em cerca de 2 dias.

Mas, afinal, o chá de canela aborta mesmo ou isso não passa de um mito?

Como dissemos, ainda não existem estudos conclusivos que possam descartar ou confirmar essa crença. O máximo que se conseguiu até o presente momento é observar um maior estímulo do útero em mulheres que possuem o hábito de ingerir o chá em grandes quantidades – mais do que 3 xícaras diárias.

- Continua Depois da Publicidade -

Não há estudos definitivos que comprovem que o chá de canela aborta. No entanto, há comprovações, por exemplo, de que ele pode produzir uma brusca diminuição das taxas de açúcar no sangue, em especial quando ingerido diariamente por portadores de diabetes do tipo 1; sendo recomendado, portanto, moderar o seu consumo.

Ademais, pacientes que fazem uso de medicamentos coagulantes também devem moderar (ou até mesmo evitar) o consumo do chá de canela, muito por conta da presença de uma substância conhecida como cumarina, um reconhecido anticoagulante natural inclusive utilizado como um anticoagulante oral com ação indireta.

Por fim, ao que parece, o chá de canela (em excesso) também deve ser evitado por hipertensos, indivíduos com problemas gástricos, sob tratamentos com sedativos, entre outras situações que devem ser observadas, criteriosamente, por um bom especialista.

- Continua Depois da Publicidade -
 

Últimas Notícias

- Publicidade -

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui